Javascript Isomórfico - parte 2

Continuando o post sobre Javascript isomórfico, depois de explicar toda a história e o conceito de isomorfismo, vamos entrar em uma parte mais prática. Quais empresas usam, o resultado da implementação e alguns frameworks existentes no mercado serão alguns dos tópicos deste post.

Quem usa?

Algumas empresas como Airbnb, Facebook, PayPal, Walmart, Netflix, Autodesk, além do próprio Elo7.

Como tudo começou?

Em 2011, Charlie Robbins, da Nodejitsu, escreveu um post apresentando a arquitetura isomórfica. Porém, teve uma adoção bem lenta, além de ter várias discussões a respeito do nome isomórfico.

Recomendo a leitura desses outros dois posts contando sobre a implementação da arquitetura isomórfica no Airbnb e na Netflix. O Airbnb reconstruiu todo seu site mobile para melhorar o tempo de carregamento da página e melhorar a usabilidade para o usuário. Com isso, lançaram sua própria biblioteca isomórfica, o Rendr (falarei dele mais para frente). Já o Netflix trocou sua estrutura feita em Java, Struts e Tiles, no back-end, e Javascript (com jQuery), no front-end, por uma estrutura só com React. Isso rendeu uma melhora de 70% no TTI (Time to Interact).

No Elo7 temos um servidor de componentes que funciona da seguinte forma: quando um usuário entra em uma página, é feita uma requisição ao marketplace; o marketplace faz um POST com um JSON para o servidor de componentes; o servidor de componentes junta o JSON dos dados com o template e retorna o HTML compilado para o marketplace, que retorna a página em HTML ao cliente.

Após o carregamento da página, são feitas novas requisições para carregar os componentes. Esses, por sua vez, se dividem, fazendo uma requisição ao marketplace para pegar o JSON e outra para o servidor de componentes para conseguir um template do componente. Com isso, o cliente tem o JSON e o template e consegue assim fazer a renderização da página. Essa é a nossa arquitetura isomórfica, na qual utilizamos o Dust.js como engine de templates.

Fatos sobre isomorfismo

Falar sobre prós e contras é um pouco complicado, já que depende muito do objetivo da aplicação. Logo, vou falar sobre fatos do uso do isomorfismo que percebi ao longo do meu estudo e o que vários posts sobre o assunto comentavam:

  • Menos duplicação de código, mais fácil de dar manutenção;
  • Menos tempo gasto para escrever código no servidor e no cliente;
  • Cuidado para levar em conta onde o código será executado;
  • Primeiro request é rápido e os outros ainda mais;
  • Mais simples de funcionar sem JS, servidor consegue retornar o HTML;
  • Debug é mais complicado, já que temos um código que funciona no cliente e no servidor;
  • Cautela para não expor dados sensíveis. Não podemos expor dados que colocaríamos apenas no back-end, como chaves de acesso por exemplo;
  • Os frameworks mudam muito rápido e quebram rápido também;
  • Se sua página não tiver muita atualização dinâmica, você irá implementar muito código para pouco benefício.

Frameworks e Bibliotecas

Vou colocar aqui os links dos frameworks e bibliotecas mais conhecidas e vou entrar em detalhes de apenas algumas. Segue a lista:

Mojito

Não coloquei o Mojito na lista acima pelo fato da última versão estar com o build quebrado e o último commit ser de 2014. Mas acredito que vale a pena comentar sobre ele, já que foi a primeira biblioteca isomórfica open source, desenvolvida em abril de 2012, pelo Yahoo.

Meteor

O Meteor já tem um conceito um pouco diferente dos outros que falarei aqui. É uma plataforma open source usada para desenvolver aplicações web e mobile e também é fullstack, ou seja, apresenta soluções desde o back-end (como banco de dados, por exemplo) até o front-end. Listarei algumas características que percebi ao usá-lo para desenvolver uma aplicação básica, que pode ser encontrada nesse repositório com um projeto simples de To Do usando o Meteor.

  • O desenvolvimento é em tempo real. Ou seja, em qualquer mudança no banco de dados ou em qualquer arquivo, os componentes são atualizados em tempo real;
  • A parte de configurações é bem simples. Não é necessário configurar dependências (como o Gulp). Além disso, já vem com EcmaScript6 e MongoDB funcionando;
  • Um projeto bem básico, como um Hello World, por exemplo, é muito pesado. Possui mais de 50 scripts importados, sem que esteja usando nenhum no projeto;
  • A página da aplicação não funciona com o Javascript desabilitado;
  • A documentação é bem explicada e torna fácil o aprendizado;
  • Possui muitos componentes prontos e é fácil criar novos componentes.

React

O React, biblioteca desenvolvida pelo Facebook, é uma linguagem de templates que é utilizada para renderizar HTML, ou seja, só está presente na parte da view. Pelo fato de estar presente apenas na view, não pode ser comparado diretamente com outros frameworks como Meteor, Angular, Backbone, Ember, que são utilizados na aplicação como um todo. No React, é usado a linguagem JSX, em que todo o código HTML é escrito no meio do código Javascript. Logo, no caso, não existem arquivos .html, existem somente .js. E um problema (ou não) do React é que ele não dá suporte, e nem pretende, ao Internet Explorer 8 e mais antigos.

Marko

Passando rapidamente pelo Marko, ele é uma linguagem de template desenvolvida pelo Ebay. Ela é conhecida por ser uma das mais rápidas linguagens de template. Diferente do React, ela tenta fazer o HTML ser mais parecido com o Javascript. Existem alguns benchmarks comparando o Marko com outras linguagens e um específico comparando ele com React.

Support Libs

Para finalizar, acredito que não poderia falar de isomorfismo sem falar das bibliotecas que permitem ele ser possível. Uma delas é o browserify, que permite ao browser suportar o require. Outra bem famosa é o webpack, que transforma módulos com dependências em assets estáticos. Quando se trata de Javascript isomórfico, essas duas bibliotecas geralmente aparecem, então é bom saber que elas existem e onde são utilizadas, como por exemplo no projeto CommonJs. Outro exemplo, é o React, que está preparado para ser usado com essas duas bibliotecas.

Aqui finalizamos nossos posts sobre isomorfismo, sabendo um pouco mais das bibliotecas que existem e como as empresas usam em seus projetos. Qualquer dúvida, só perguntar ;D